domingo, 19 de novembro de 2017

Mãe hoje era o dia do teu aniversário

Hoje precisava ter asas para voar
se soubesses o que te queria dizer
então nos poderíamos abraçar
sem a felicidade podermos conter


Maria Dias
19.Nov.2017






sábado, 18 de novembro de 2017

O amor não morre.....ele se cansa muitas vezes....


O amor não morre. Ele se cansa muitas vezes. Ele se refugia em algum recanto da alma tentando se esconder do tédio que mata os relacionamentos. Não é preciso confundir fadiga com desamor. O amor ama. Quem ama, ama sempre. O que desaparece é a musicalidade do sentimento. 

A causa? O quotidiano, o fazer as mesmas coisas, o fato de não haver mais mistérios, de não haver mais como surpreender o outro. São as mesmices: mesmos carinhos, mesmas palavras, mesmas horas... o outro já sabe! Falta magia. Falta o inesperado. O fato de não se ter mais nada a conquistar mostra o fim do caminho. Nada mais a fazer. 


Muitas pessoas se acomodam e tentam se concentrar em outras coisas, atividades que muitas vezes não têm nada a ver com relacionamentos. Outras procuram aventuras. Elas querem, a todo custo, se redescobrir vivas; querem reencontrar o que julgam perdido: o prazer da paixão, o susto do coração batendo apressado diante de alguém, o sono perdido em sonhos intermináveis e desejos infindos. Não é possível uma vida sem amor. Ou com amor adormecido.

Se você ama alguém, desperte o amor que dorme! Uma vez ou outra, faça algo extraordinário. Faça loucuras, compre flores, ofereça um jantar, ponha um novo perfume... 

Não permita que o amor durma enquanto você está acordado sem saber o que fazer da vida. Reconquiste! Acredite: reconquistar é uma tarefa muito mais árdua do que conquistar, pois vai exigir um esforço muito maior. Mas... sabe de uma coisa? Vale a pena! Vale muito a pena!

Pedro Bial


segunda-feira, 6 de novembro de 2017

Sophia Melo Breyner

Quando eu morrer voltarei para buscar
os instantes que não vivi junto do mar


Sophia Melo Breyner


06/Nov/1919 
02/Jul/2004

Sophia de Melo Breyner

O mar dos meus olhos

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma
E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes

Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma
pelo infinito modo como abarcam as coisas e os homens...
Há mulheres que são maré em noites de tardes...
e calma

Sophia de Mello Breyner AndresenNasceu a 6 de Novmebro de 1919Faleceu a 2 de Julho de  2004




quarta-feira, 1 de novembro de 2017

As Marcas o Tempo



As paredes envelhecem
as portas apodrecem
mostram as marcas do frio
do forte calor do estio
do inverno tão frio
as chuvas torrenciais
do pouco e de tudo o mais...
mas essas, podem-se reparar
e assim as recuperar

No ser humano é diferente
ao seguirmos em frente
o tempo deixa marcas
e,  deixa lembranças
profundas recordações
que o tempo nos presenteou
marcas nos corações
no corpo desenhadas,
a vida que em nós ficou

In "Abraço-te"



quinta-feira, 19 de outubro de 2017

A família é a base da sociedade,

deve transmitir-nos de verdade

paz e harmonia, a verdadeira riqueza,

a união e o amor, que nos dão a certeza

de nos sentirmos acolhidos,

amados,

acarinhados,


de nos sentirmos unidos!






quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Deixa-me ser outra vez criança



Deixa-me ser outra vez criança
Dá-me  a inocência de volta
Entrega-me de novo a esperança
Deixa a minha alma à solta

Porque quero voar nas asas da imaginação
Dá-me a vida, dá-me o mundo
Enche-me de amor  o meu coração
Para sentir o que há de mais profundo

Dá-me um futuro novo, um futuro de paz
Deixa-me continuar a correr, a brincar
E de sonhos me quero vestir, a cor tanto faz
Apenas quero ser feliz, deixa-me  sonhar!


In Abraço-te



sexta-feira, 6 de outubro de 2017


O que me faz sorrir?

um simples sorriso no ar
um olhar meigo a me olhar
uma flor a desabrochar
as ondas do mar
o Sol a nascer
o Sol a se esconder
a Lua a aparecer
uma noite de luar
o amor quando paira no ar
o que me faz sorrir?
o que me faz sorrir
é poder sentir
a vida a acontecer!


sábado, 30 de setembro de 2017

A árvore

Silêncio…consegues ouvi-lo? As árvores conseguem. São as primeiras a saber que está a chegar. Escuta! As árvores do bosque profundo e escuro, estremecendo e agitando as folhas como invólucros finos de prata velha, o vento dissimulado, sussurrando o que não tardará a acontecer…..

E a árvore sussurra-nos:



Passas por mim indiferente
mas gosto de te ver passar
deixas-me feliz e contente
lembra-te que sou tua amiga
e que gosto de te confortar

no calor dou-te a sombra
e comigo podes descansar,
as minhas folhas são o desejo,
as minhas flores são a esperança,
os meus frutos são um prazer
e neste meu humilde lugarejo
represento a Perseverança
porque estou sempre a renascer
e mesmo quando já não tenho
nem folhas, nem flores, nem frutos
ainda estou presa à terra
por isso, deixa-me viver!




quarta-feira, 27 de setembro de 2017

A inocência é uma criança
de mãos abertas para o mundo
com olhar de esperança
e com um amor profundo

É a doçura na relação humana
falar sem pensar, amar sem restrição,
fruto da inocência que dela emana,
é possuir um mundo de imaginação

Na inocência de uma criança
há tanta esperança a nascer,
tanto carinho e confiança,
vontade e razão de viver

Pleno mar de ternura
olhos cheios de candura
de uma inocência sem fim,
ah ...como sinto saudades

daquela criança em mim


In "Abraço-te"


quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Outono! Árvores despidas
lembram-nos entristecidas
uma despedida do Verão
uma saudade dessa estação

Mas ao mesmo tempo
é um deslumbramento
ver a natureza se transformar
as folhas caem e andam no ar

O Sol tem um brilho especial
e toda a beleza natural
é como um local encantado
onde tudo é mais dourado

Porém, há uma certeza
o Outono é a natureza
a mudar, a envelhecer,
mas que voltará a renascer

No homem não é assim
as estações da vida têm fim,
e mesmo sem as esquecer,

acabam, não há rejuvenescer

sábado, 16 de setembro de 2017

Fazer anos





O tempo passa sem dó nem piedade,
O espelho denuncia as marcas do tempo,
Da frescura da juventude fica a saudade,
Mas festejar a vida é um encantamento.

Na quietude que o momento consente,
Aqui estou para mais um ano desejar
Saúde, felicidade para o futuro e presente
Tchim, tchim…, à vida quero brindar!


quinta-feira, 14 de setembro de 2017

"O bom do caminho é haver volta. Para ida sem vinda, basta o tempo."
Mia Couto




Viagem em Pensamento



Esta é a viagem 
que mais gosto de fazer
nem preciso de passagem 
e está sempre a acontecer 

Embarco no passado
e vou onde eu quiser...
sem pressas e sem bagagem
aí visito a minha infância
num calmo e doce reviver
e nem importa a distância

Instalo-me no hotel das Histórias
que fica na Rua das Memórias
é um hotel com muitas estrelas
lindo, mas sem portas nem janelas

Perco me por aqui e por ali
e,  quando preciso voltar
trago em mim tudo o que vivi
para uma história contar 

Agora tenho que ir
para mais uma viagem
- alguém quer vir?
Já sabem
Não é preciso bagagem 


  


Escrito para o
Boa Noite viagem
Janeiro 2017




quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Fomos capazes de voar como os pássaros, de nadar como os peixes, mas não somos capazes de viver simplesmente como irmãos.

Martin Luther King

no livro O Sangue dos Inocentes de Julia Navarro


segunda-feira, 21 de agosto de 2017

As lágrimas

As tuas lágrimas são coloridas...
Não são azuis nem verdes da cor do mar
têm a cor do sofrimento e da dor 
a cor da alegria e da felicidade 
a cor da ternura e do amor
têm a cor da vida e da realidade 
as tuas e as minhas lágrimas são vividas

as tuas e as minhas lágrimas são sentidas


Feridas

Feridas mal saradas
Mal se dá um toque
Ficam de novo a sangrar….
E se pensamos que estão curadas
Em breve nos apercebemos que era ilusão
Mais uma vez voltamos a chorar

E mais uma vez sofre o nosso coração


sábado, 19 de agosto de 2017

Neste dia mundial de fotografia (19 de Agosto), recordo a frase de José Saramago:
“Se puderes olhar, vê. Se podes ver, Repara”



Retratos são pedaços da nossa história
alguns já se distanciam da realidade,
são momentos que ficam na nossa memória
que vão permanecer até à eternidade

Retratos são testemunhos, alguns com significado
que fixaram para sempre aqueles instantes precisos,
pequenos gestos duma fracção de tempo do passado,
um registo definitivo de expressões e de sorrisos

E o que começa por ser um registo da realidade
poderá passar a ser, não mais do que uma lembrança,
não mais do que um modo de evitar a distância,
mas que permanecerá para matar a saudade


 2012



segunda-feira, 31 de julho de 2017


No outro dia, uma jovem jovem perguntou-me: " o que sentes em ser velha?

Fiquei surpreendida com a pergunta, já que nunca me senti velha. Quando a rapariga viu a minha reacção, ela pediu-me desculpa, mas expliquei-lhe que era uma pergunta interessante. 
E depois pensei, pensei que envelhecer é um presente.
Às vezes, surpreende-me a pessoa que vejo no meu espelho. Mas não me preocupo com ela há muito tempo. Eu não mudaria nada do que eu tenho para algumas rugas em menos e uma barriga plana. Não me crítica mais porque não gosto de arrumar a cama, ou porque não como algumas " coisas. 

Sinto-me finalmente no meu direito de ser desordenada, extravagante e passar as minhas horas contemplando as flores.

Eu vi alguns queridos amigos sair deste mundo, antes de desfrutar da liberdade que vem com o envelhecimento.

Quem se importa se eu optar por ler ou jogar no computador até às 4 da manhã e depois dormir até quem sabe que agora?

Quem se importa se eu dançar sozinha ouvindo a música dos anos 50?

E se depois eu quiser chorar por um amor perdido?

E se eu andar na praia de roupa de banho, levar a passear meu corpo gordinho e me mergulhar entre as ondas deixando-me embalar, apesar dos olhares daqueles que ainda usam o biquíni, serão velhos também se tiverem sorte.

É verdade que através dos anos o meu coração sofreu pela perda de uma pessoa querida, mas é o sofrimento que nos dá força e nos faz crescer. 

Um coração que não se partiu, é estéril e nunca vai saber da felicidade de ser imperfeito. 

Estou orgulhosa de ter vivido o suficiente para fazer branquear o meu cabelo e para manter o sorriso da minha juventude, de quando ainda não havia sulcos profundos no meu rosto.

Ora, para responder à pergunta com sinceridade, posso dizer:
Eu gosto de ser velha, porque a velhice me faz mais sábia, mais livre!

Eu sei que não vou viver para sempre, mas enquanto estou aqui, quero viver de acordo com as minhas leis, as do meu coração. Não quero reclamar pelo que não foi, nem me preocupar com o que será. No tempo que resta, simplesmente amarei a vida como fiz até hoje, o resto eu deixo a Deus.

Sandra Benedita 


Era uma vez.... um rapaz chamado Coração
  
Toda a gente gostava daquele rapaz. Era tão querido -diziam uns, tão emotivo- diziam outros, mas que ele era um rapaz fraco, lá isso era, deixava-se levar com facilidade e disso todos concordavam.

Coração” era esse o seu nome, vivia uma vida simples, mas cheia de emoções. Não conseguia alhear-se das coisas, vivia-as com uma intensidade demasiado forte. Atraía sempre demasiados problemas, causando-lhe depois grandes sofrimentos.

Era um apaixonado por “Cabeça”, uma rapariga desenvolta e decidida. Ela sentia-se ligada a ele, mas de uma forma mais solta, nunca se sentia apaixonada, todavia não imaginava a vida sem ele.
Ela irritava-se muito por ele agir tão impulsivamente com tudo, já que ela não era nada assim. Ela conseguia pensar e decidir mais friamente como resolver os problemas.

Mas tinham admiração um pelo outro:
Ela invejava a capacidade que ele tinha de se deixar fascinar pelas pequenas subtilezas da natureza, pelas pequenas subtilezas das emoções, pelas pequenas subtilezas da vida.
Ele invejava a forma fria e concisa que ela tinha de encarar e ultrapassar os obstáculos constantes da vida.

Gozavam  momentos de um afecto fácil e de uma proximidade serena, que lhe recordavam constantemente que, embora diferentes, se completavam. E foi então que decidiram casar-se. Ela nunca na vida tinha virado uma página tão depressa, mas dessa vez deixou-se levar pelo Coração.

Todos achavam que não iria dar certo, por serem tão diferentes um do outro. E na verdade era mais o tempo em que pareciam o cão e o gato.

Ele sentia-se sempre em estado de paixão e amor, mas ela era tão racional e tão fria que não conseguia viver  esses sentimentos na sua plenitude.

Passados alguns anos tiverem uma filha a que deram o nome de “Razão”. Uma criança maravilhosa, que se tornou numa jovem sensata e determinada. Ela veio equilibrar a vida de ambos, proporcionando mais emoção à Cabeça e mais sensatez ao Coração.  
A Razão não entendia porque é que o pai se emocionava tanto com tudo:
- Oh Mãe, porque é que o pai chora quando está triste e também quando está alegre?
O pai emociona-se com facilidade, ele é mesmo assim – dizia-lhe a mãe: e nunca te podes esquecer disto:

“O teu pai é assim porque tem razões  que tu própria desconheces”


2016







quinta-feira, 20 de julho de 2017

A Amizade

Pudera eu ter o dom de um poeta
ou de um músico…
para poder colocar em verso e melodia
o sentimento da amizade…
Como eu gostava, como eu queria
poder defini-lo e transcrevê-lo
esse sentimento da verdade

A amizade é um sentimento
tão único e especial,
troca, amor, cumplicidade
é afecto, é respeito, é vital,

é carinho e honestidade

A amizade duplica a alegria
e divide as tristezas,
é uma completa melodia
que diminui as distâncias
fortalece as certezas
e ultrapassa todas as ânsias…

A amizade, sim, a amizade
é uma troca repartida
de uma cumplicidade,
é a doce canção da vida
é a poesia da eternidade




terça-feira, 4 de julho de 2017

Os baixinho chegam onde chegam os grandes

Os baixinhos chegam onde chegam os grandes, será mesmo?

Sou baixinha pois sou e então? Os meus pais perderam muito tempo com alguns detalhes e a pôr tudo no lugar e depois esqueceram de acrescentar o fermento. Deve ter sido isso mesmo.

Quando somos mais novas não tem importância, ah e tal  é mesmo uma boneca, tão gira.... depois o tempo passa e esses comentários escasseiam, até desaparecerem por completo..... 

Mas os baixinhos chegam  sempre onde chegam os grandes...ah sim claro, se tiverem um banquinho por perto, senão estão tramados..... 

Ah pois é, estão mesmo tramados....se vão a um concerto ou a qualquer espectáculo, ou ficam na frente ou então passam o tempo todo aos saltinhos ou a pôr a cabeça ora para a esquerda, ora para a direita, num desassossego que chegam a pensar “mais valia ter ficado em casa”

Se engordam mais um pouco, ficam umas bolas, se ficam muito magros, são uns enfezados.... não que me possa queixar porque estou entre os dois, mas sempre a pensar se um dia engordo muito, lá viro eu uma bolinha...se fosse alta talvez ficava um mulherão.

Se um homem alto anda com uma mulher baixa, até que disfarça, mas se for ao contrário lá vêm as piadas, algumas até grosseiras....

Bom o facto é que os homens não se medem aos palmos, medem-se em centimetros e as mulheres arranjam alguns centimetros extras nos saltos, agora os homens ficam mesmo em desvantagem.....





Junho 2017


quinta-feira, 29 de junho de 2017

Entardeceste...

Entardeceste no meu olhar
E amanheceste no meu sorriso
Um gesto e um beijo sem tardar
Mesmo no momento preciso

Anoiteceste nos meus braços
Percorrendo a estrada das horas 
Decorámos os nossos traços
Sem pressas e sem demoras

Até comigo madrugastes
Entre palavras e humor
Adormecestes e acordastes
Entre sonhos e amor



Junho 2017







segunda-feira, 22 de maio de 2017

Abraço o mundo

Dizem que no dia 22 de Maio se comemora o dia do abraço.
 Mas um abraço não tem dias, não tem horas, tem momentos!

Do livro "Abraço-te"


Abraço o mundo
esse mundo inteiro
que cabe no meu olhar
e, num sentimento profundo
sonho ...e até ouso voar...

Abraço as palavras
no oásis do meu silêncio
a vida  suspensa num sentir
preenche esse vazio
e, simplesmente deixo-me ir

e apenas...
as palavras rasgadas
em gritos contidos
me dão “tudo” dos nadas
e se transformam em
abraços unidos

Abraço o mundo