sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Mais uma página do calendário
Que está quase a virar
Só resta ficar  solidário
com o Ano que vai chegar

De repente num instante fugaz
Os fogos de artifício vêm predizer
Que o Ano Velho fica para trás
E que o Novo Ano está a nascer

As taças se cruzam num tchim tchim
E embriagados de sentimentos
Formulamos votos num frenezim
Só desejando bons momentos

Entre abraços calorosos
queremos os sonhos realizados,
e ficamos todos ansiosos
dos nossos desejos alcançados

A  mim resta-me desejar
A todos nós em união
Que juntos possamos cantar
A mesma canção

Canção de Paz e Amor
Força para a crise superar,
Brindemos com louvor
Ao Ano que vai chegar!



Maria Dias

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Aquele beijo que pairava no ar
Procurava a tua boca sensual
Era aquele momento a tardar
Num instante único, nada banal

Um beijo, apenas um beijo
Naquele aconchego de abraços,
Que vira ternura e desejo
Ficam comigo os teus traços

Maria Dias.

sábado, 21 de dezembro de 2013


O Inverno já chegou


Não gosto do Inverno não…
Fico com saudades do Verão,
Facilmente ficamos enfermos,
Frio, chuva e os dias pequenos.

Saboreando o quentinho da lareira
Lembro a Primavera que virá a seguir,
Fico feliz, e é assim dessa maneira
Que o meu coração volta a sorrir

O Inverno é como o envelhecer,
Mas quando a Primavera é chegada                       
Tudo, tudo volta a rejuvenescer
Só no ciclo da vida essa alegria é negada.


Maria Dias
Dezembro 2013






segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

É impressionante como o tempo passa depressa, parece que ainda há pouco acabaram as férias de Verão e já estamos quase, quase, no Natal. Mas será que todos sentem que o tempo passa depressa? Certamente que não. Há aqueles, que por algum motivo de desespero ou de dor, sentem que o tempo parou e não passa. Na nossa vida, o tempo parece comandado pelo relógio do coração:



O Relógio do coração
Marca o tempo na nossa vida
De uma forma diferente
Tudo depende da emoção
E da experiência vivida.
Há semanas que duram anos,
Há anos que duram dias,
Tudo depende dos danos
Provocados em nossas vidas.
Paralisamos meses com tristezas
Algumas hoje, passados os dias dificeis
Já se tornam meras incertezas,
Mal lembramos os momentos terriveis,
Mal guardamos a lembrança de cada hora
E será sempre assim pela vida fora!


Maria Dias

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

O dia estava cinzento quando acordei,
O Sol ainda dormia e estava escondido,
Fiquei triste, mas de imediato desejei
Agarrar o mundo, esse mundo deprimido.

Virá-lo e colocá-lo  numa grande tela,
Para o pintar de muitas e alegres cores,
E poder realizar os meus desejos nela
Como miscelâne
a de tintas multicolores!

Depois poderia agarrar o mundo cheio de cor,
Poderia morar nele e com tudo de bom sonhar    
Ver os povos em união a viverem com amor,
Cantarem canções alegres e de embalar!



Maria Dias

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Num deserto sem água
Numa noite sem lua
Num país sem nome
Ou numa terra nua

Por maior que seja o desespero
Nenhuma ausência é mais funda do que a tua.

Sophia de Mello Breyner Andresen

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Dedico este soneto à amiga Maria Vilar, dado que neste momento é o que ela mais precisa é de paciência.

A minha amiga paciência
Veio para me ajudar,
Instalou-se numa dormência
Pedi-lhe para comigo ficar.

Quero que me ajudes a manter
O meu equilíbrio emocional,
Que não me faças esquecer
De buscar uma calma adicional.

Sei que tens a arte da esperança,
Ultrapassas as dificuldades,
És um porto seguro, meu abrigo,

Com a tua calma e perseverança
Amiga de todas as verdades,
Só me fazes querer ficar contigo!

Maria Dias.

Lindo este poema de Clarice Lispector, lido de cima para baixo e de baixo para cima.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Para o Boletim da Arpic de Dezembro 2013, enviei:

O CANTINHO DA POESIA, PENSAMENTOS,  CONTOS E OUTROS…..

Dezembro, um mês festivo, em que se celebra o Natal, pena que não se sinta o espírito Natalício todos os dias nos nossos corações.

Quero partilhar um conto que nos fala de solidão, que poderá ser minimizada quando ficamos prontos para nos darmos, e aí sim até nos sentimos renascer.

“Que em cada um de nós possa nascer ou renascer o poder de amar”.


Estava sentada à mesa do pequeno-almoço, pensativa, olhando para lá das portas envidraçadas e segurando na chávena fumegante entre as mãos, como que para as aquecer. A pensar inexoravelmente numa saída para os problemas, encarando a vida como um estranho enigma por resolver. E agora com o Natal a chegar, ainda sentia mais a sua solidão. Faltava-lhe as forças para encarar as coisas que a faziam sofrer. Algo se agitou dentro de si.
Uma formiga ziguezagueava pelos braços da cadeira. Com um brusco piparote fê-la levantar voo. Ao mesmo tempo que fez este gesto, algo caiu no chão. Foi a jarra que estava em cima da mesa com um desajeitado arranjo de flores já quase murchas. Paciência, queria lá saber….Precisava era de respirar ar fresco. Depois de tantos dias de chuva, tinha que aproveitar o Sol que agora aparecia.

Saíu apressada, mas sem saber onde ir. A brisa acariciava-lhe o rosto, cresceu-lhe um ligeiro rubor…mas sob esse rubor havia ainda palidez, que demonstrava uma tristeza instalada. Vagueou pelas ruas estreitas até chegar ao jardim, onde se sentou pensativa….
O cheiro da erva aquecida pelo Sol enchia o ar. O que ela mais desejava era não sentir-se assim tão só, tão perdida na vida, mas também não queria falar com ninguém, por isso despiu os seus pensamentos de palavras, recostou-se e fechou os olhos. Deixou que o seu pensamento divagasse por entre as recordações…

Pensamentos que perduravam ainda nas margens da sua consciência nessa manhã, quando se apercebeu dos passos saltitantes na sua direcção sobre a erva à altura do tornozelo. Abriu os olhos e viu ali parado um cãozinho a olhar para ela, com um olhar tão meigo. Ela não sabia o que aquele olhar queria dizer, mas quando ele se encostou às suas pernas, se sentou e olhou para ela com um olhar suplicante e tão doce, ela teve a certeza que ele também estava tão só como ela….e que procurava companhia e carinho.

Tinha um ar tão dócil e ali ficou à espera que ela lhe fizesse algum gesto. Ela por momentos, esqueceu tudo e acariciou o cãozinho que abanava o rabo tão contente, com olhar suplicante, como se quisesse dizer-lhe “leva-me contigo”.

E foi isso que ela fez, levantou-se e nem foi preciso dizer nada, porque ele a seguiu, bem juntinho a ela, saltitante de alegria. A sua intuição dizia-lhe que arranjara um amigo para sempre. Já não estava só neste Natal. E por mais estranho que possa parecer, sentiu que os seus problemas se tornavam agora mais leves… agora que podia dar um pouco de si, sentia-se renascer!




Maria Dias

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

O Castelo e a Cidade

Hoje, senti-me presa num castelo,
Prisioneira de uma linda cidade,
Parada no tempo, perdida na idade,
Agarrada ao Sonho, presa ao Belo.

A vista tão deslumbrante
É um assalto aos sentidos,
Abraço o Tejo inquietante,
Sigo os desejos nele contidos

É Lisboa a minha cidade
Que não canso de contemplar
É irresistível e não tem idade
Impossível não a amar!


Maria Dias
15.Novembro 2013



quinta-feira, 14 de novembro de 2013

Quem não se derrete ouvindo (lendo) isto:

"Obrigada mãe, adoro-te porque me amas como se nunca te tivesse magoado"

terça-feira, 5 de novembro de 2013



Parabéns maninha, hoje é o teu dia:

A Laidita chegou a correr, com as faces coradas…o travessão que lhe prendia parte do cabelo parecia estar a perder a firmeza, e várias madeixas castanhas tombaram-lhe para a frente dos olhos, sem que ela parecesse reparar, conferindo-lhe um ar afogueado. A mãe ajeitou-lhe o cabelo e fê-la acalmar para lhe dizer que tinha uma surpresa. A Laidita adorava surpresas…. “a surpresinha” como ela dizia…e começou logo a imaginar, se seria um boneco, ou melhor, uma boneca, de preferência com cabelo comprido para a pentear e….. a sua cabecita não parava…já que não tinha nenhum irmão, com as outras meninas, uma boneca seria agora uma boa surpresa. E continuava irrequieta….Mas onde está “a surpresinha” mãe? Não vejo nenhum embrulho….

A mãe pediu que se acalmasse e escutasse com atenção…não tinha nenhum embrulho porque “a surpresinha” não era para agora, só daqui a alguns meses. E aí os olhos da Laidita perderam o brilho e entristeceram…afinal não ia ter a boneca para pentear…o sorriso deu lugar a um beicinho …e encostando-se à mãe para que esta a abraçasse e confortasse, esqueceu que a mãe ainda não lhe tinha dito qual era a surpresa….

E então a mãe disse que dentro de alguns meses iria ter um irmão ou uma irmã. A Laidita nem queria acreditar, deu um salto e ficou tão feliz que esqueceu tudo o resto. A partir daquele momento não parou de fazer perguntas e tal era o entusiasmo que nunca mais falou na boneca.
Nos meses que se seguiram a Laidita não pensou em mais nada, a não ser na chegada do irmãozinho ou irmãzinha, e até escolheu logo o nome, seria o “João”. Mas quando nasceu uma menina e lhe quiseram chamar Teresa, a Laidita disse logo, se não é um “João”, então é uma “Maria João”!

Maria Dias.

sexta-feira, 1 de novembro de 2013

Aquelas notas tocadas no piano
Transformam-se numa bela melodia,
Levam-me nas asas do sonho ao oceano
Esquecendo tudo ao redor naquele dia.

Eu e tu mergulhamos nas ondas do amor
Para trazer nos nossos olhos aquele mar,
Afundo todas as mágoas e a minha dor
Quero-te para sermos felizes e te amar!



Maria Dias

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Lágrima de Preta

Encontrei uma preta
que estava a chorar,
pedi-lhe uma lágrima
para analisar.

Recolhi a lágrima
com todo o cuidado
num tubo de ensaio
bem esterlizado.

Olhei-a de um lado,
do outro e de frente:
tinha um ar de gota
muito transparente.

Madei vir os ácidos,
as bases e os sais,
as drogas usadas
em casos que tais.

Ensaiei a frio,
experimentei ao lume,
de todas as vezes
deu-me o que é costume:

nem sinais de negro
nem vestígios de ódio.
Água (quase tudo)
e cloreto de sódio.

António Gedeão

domingo, 27 de outubro de 2013

Para o Boletim da Arpic de Novembro:

O CANTINHO DA POESIA, PENSAMENTOS,  CONTOS E OUTROS…..

Novembro é o mês do S.Martinho, dos magustos (castanhas, água pé, jeropiga)… Aqui ficam umas adivinhas, quem acerta?
1
Tenho camisa e casaco
Sem remendo nem buraco
Estoiro como um foguete
Se alguém no lume me mete
2
Qual a coisa qual e ela
Tem três capas de Inverno
A segunda é lustrosa
A terceira é amargosa
3
Tem casca bem guardada
Ninguém lhe pode mexer
Sozinha ou acompanhada
Em Novembro nos vem ver

Há dias um amigo passeava por Carnide e inspirou-me:

Naquela rua deserta
Sem uma única porta aberta
Perdeu-se o meu amigo
Com alma de poeta.
Ele não só a olhou,
Mas a contemplou
E, ficou a pensar…

Que naquela rua deserta
Sem uma única porta aberta
Há segredos escondidos
Vida dos perdidos,
Vida dos felizes,
Vida dos petizes,
Vida dos adultos,
Vida dos velhinhos,
Mas de todos, juntinhos,
Quantas histórias por contar,
Quantas mágoas a amargurar,
Quantas felicidades a lembrar

É que naquela rua deserta
Onde passou o meu amigo
Com alma de poeta
Há vida para além do silêncio
Há vida para além da morte
Todos se entregam à sua sorte! 



Soluções Adivinhas: Castanha


Maria Dias

quinta-feira, 24 de outubro de 2013


Hoje chove lá fora,
Chove no meu coração,
Estou desiludida,
Entristecida,
Enfrento uma desilusão

Queria que as pessoas
Fossem diferentes,
Mais confiantes,
Mais tolerantes,
Amigas de verdade
E com menos falsidade.


Maria Dias
24.Outubro 2013

quarta-feira, 23 de outubro de 2013

O Resistente

Eu sou o “Resistente”
Odeio ter de mudar
Sou agarrado ao presente
O que mais quero é “ficar”

Ficar para não ter de prosseguir,
Sou comodista até mais não,
Para mim nunca quero ir
Nem que me chamem à razão.


E agora, vens tu Oh Mudança
Com novas ideias para me baralhar
Tu e essa tua amiga Esperança
Estão sempre a inventar…


Maria Dias
Outubro 2013


Escrito para o Boa Noite "Agora é que é"
Interpretado por João Borges Oliveira
A Mudança

Eu sou a “Mudança”
E gosto é de variar,
A minha melhor amiga
é a Maria Esperança
e com ela vou avançar

Juntas queremos o futuro,
enfrentando o progresso,
Por isso me aventuro
Quase sempre com sucesso.

Só tu, inimigo Resistente
Ficas aí num marasmo,
Como se estivesses doente

Oh, como eu até pasmo…


Maria Dias
Outubro 2013


Escrito para o Boa Noite "Agora é que é"
Interpretado por Joana Tavares
A Mudança

Agora é que é…
Há que seguir em frente
Fazer o que se sente,
Tens de prosseguir
Não vale a pena fugir.
Vai, e se te der medo,
Vai com medo mesmo.
Só tens de te aproximar,
E mesmo que ela te assuste,
Não a vás afugentar,
Tens é de a abraçar,
Tens é de a acarinhar,
Porque, ela te trará o bem,
Te dará a esperança,
Confia no que ela tem,
Abre-lhe os braços …
E enfrenta a “Mudança”!



Maria Dias
Outubro 2013

Escrito para o Boa Noite "Agora é que é"
Interpretado por João Borges Oliveira
"
A amizade sem confiança é uma flor sem perfume."


Laure Conan



sexta-feira, 18 de outubro de 2013

terça-feira, 15 de outubro de 2013

Naquela rua deserta
Sem uma única porta aberta
Perdeu-se o meu amigo
Com alma de poeta.
Ele não só a olhou,
Mas a contemplou
E, ficou a pensar…

Que naquela rua deserta
Sem uma única porta aberta
Há segredos escondidos
Vida dos perdidos,
Vida dos felizes,
Vida dos petizes,
Vida dos adultos,
Vida dos velhinhos,
Mas de todos, juntinhos,
Quantas histórias por contar,
Quantas mágoas a amargurar,
Quantas felicidades a lembrar

É que naquela rua deserta
Onde passou o meu amigo
Com alma de poeta
Há vida para além do silêncio
Há vida para além da morte
Todos se entregam à sua sorte!


Maria Dias

Outubro 2013

quarta-feira, 9 de outubro de 2013



 Viagem aos Picos da Europa de o4 a 08 de Outubro 2013-10-09

Cheguei mais rica. Os adjectivos que conheço não chegam para traduzir o que trago comigo…, desde a magnifica contemplação da natureza, absolutamente indescritível, até ficar sem palavras, assim como o enriquecimento cultural das cidades históricas e a grandiosidade dos seus Monumentos. Tudo permanecerá na minha memória!
E foi num momento de comoção ao ver tanta beleza que o Silêncio me envolveu e me deu asas.



“Ele” o Silêncio

Ele chegou,
Me envolveu,
Me abraçou,
E nem esqueceu
De me beijar.

Deu-me a paz…
Sussurrou  ao ouvido
Tudo o que satisfaz,
E, assim tão querido
Na minha companhia ficou.

E, foi assim que o silêncio
Por algum tempo se quedou,
Ali fiquei estarrecida
Por momentos esquecida
Presa naquele abraço,
Por Ele confortada
Como se fosse amada!


Maria Dias
04/Outubro/2013



quinta-feira, 3 de outubro de 2013

Quero ir por caminhos diferentes
Vaguear entre outras culturas,
Que abram as nossas mentes,
E de coração aberto
Outros povos abraçar,
De longe e de perto
Outras paisagens observar.

Quero abrir os olhos para o mundo
Vinda de longe, com o coração a cantar
Ficar boquiaberta, em êxtase profundo
Com tantas belezas de encantar.

Quando voltar quero viajar
Para dentro de mim mesma,
Prolongar tudo o que vivi
Guardar tudo o que senti,
E através da minha memória,
Em lembrança e narrativa
Escrever a minha história!

E continuar a minha viagem
Nem que seja em pensamento.
É preciso recomeçá-la …
Ir para além de uma miragem,
Pois pior que não a terminar
É nunca chegar a partir,
E querer sempre ir
Querer sempre continuar…..



Maria Dias

terça-feira, 1 de outubro de 2013

A vida é demasiado preciosa para ser esbanjada num mundo desencantado.

MIA COUTO

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

Gosto de rir com vontade
De dar aquela gargalhada
Sem limite, sem idade,
De uma piada bem contada

Gosto de uma boa conversa
Com muitas risadas à mistura
Do blá blá, fica o que interessa
Sem rodeios, sem censura

São momentos de bom convívio
Entre amigos, boas companhias,
Para os problemas é um alívio
E também se quebra a monotonia!



Maria Dias
Setembro 2013